O teste FIV e FeLV é uma tarefa obrigatória para todo dono de gato e, por mais triste que seja receber um resultado positivo, só esse exame vai garantir um tratamento precoce e eficaz contra essas doenças altamente graves e contagiosas entre os felinos. A FIV carrega o vírus da imunodeficiência felina e a FeLV é decorrente do vírus da leucemia felina. Ambas debilitam o animal, portanto, não deixe de examinar o gato. Descubra agora como funciona o teste de FIV e FeLV.

Teste rápido FIV e FeLV: resultado sai na hora

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Só existe uma forma de saber se o gato é saudável: realizando testes específicos para identificar doenças. Eles são laboratoriais e feitos, preferencialmente, com o manejo de um médico veterinário. O mercado pet também disponibiliza exames para os protetores de gato, mas até esse teste rápido de FIV e FeLV precisa de exame de sangue para análise (então recomenda-se buscar auxílio profissional para essa coleta).

Geralmente, o kit de teste vem com uma lâmina com janelas de controle e resultado, um recipiente para recolher sangue e um frasco com diluente. Todo o procedimento é intuitivo e fácil de fazer. O resultado costuma aparecer em alguns minutos. Entenda como são as etapas do teste rápido FIV e FeLV e como fazer abaixo:

Teste rápido FIV e FeLV: como fazer  

  • Primeiro é feita a coleta sanguínea do felino (a maioria dos testes pedem no mínimo 1 ml);
  • Depois, é feita a homogeneização dessa coleta no frasco diluente;
  • Em seguida, aplica-se gotas da mistura na placa de teste (uma gota para a janela de FIV e outra para a de FeLV);
  • Observe que há um “C” em cada janela de resultado, que significa “controle”.
  • Abaixo dele, deve aparecer um sinal em formato de risca, segundos (ou minutos) após aplicação da gota (isso indica a eficácia do teste).
  • Na ausência desse traço, é feito um novo teste em uma nova lâmina;
  • Ao lado do “C” há um “T”, que significa “teste” (é aqui que aparece o resultado).
  • Aguarde alguns momentos.
  • Se aparecer uma risca ao lado do traço de controle (ou seja, no teste), o gato testou positivo, caso contrário, ele é FIV/FeLV negativo;
  • Todo o procedimento é rápido e é feito em poucos minutos.

FIV e FeLV: testes são feitos em placas de análise do sangue felino.
FIV e FeLV: testes são feitos em placas de análise do sangue felino.

FIV e FeLV: teste a presença do vírus no sangue felino

Qualquer exame avalia a presença de antígenos ou anticorpos no sangue do felino (seja o teste rápido de FIV e FeLV, ou aquele realizado por um médico veterinário). Os mais conhecidos são o PCR e o ELISA e ambos têm até 99,7% de especificidade. Por isso, recomenda-se fazer testes periódicos ou de contraprova do exame anterior, principalmente quando os sintomas persistem. Veja como eles funcionam:

  • Teste PCR em gatos: é um teste que além de buscar a presença do vírus, estuda detalhes do DNA e RNA viral quando ele é presente. É capaz de identificar FIV, FeLV e várias outras doenças infecciosas no gato.
  • Teste ELISA em gatos: é um teste de triagem da FeLV (Leucemia Felina) e geralmente é solicitado quando o gato tem sintomas clássicos da doença (apatia, febre e falta de apetite contínua). Ele age localizando o antígeno no plasma.

Por que o teste de FIV e FeLV é tão importante?

Essas são doenças distintas e exclusivamente felinas. O contágio ocorre através do contato do gato com o vírus hospedado em outro felino, seja por meio de secreções ou arranhões e mordidas durante uma briga. São doenças graves que colocam toda a saúde do animal em risco. Por isso, é tão importante realizar periodicamente o teste de FIV e FeLV - seja para iniciar um tratamento precoce ou manter o pet distante desses males.

Qualquer raça de gato pode ser acometida pela FIV e FeLV, mas o contágio é mais comum em vira-latas, pois a maioria é criada ou resgatada das ruas. Mas não pense que um gato Persa é imune à ela: se ele tem contato com um gato com o vírus, ele também pode se contagiar. Portanto, todo cuidado é pouco com as doenças de gato mais perigosas.

Redação: Erika Martins

Edição: Mariana Fernandes